segunda-feira, 24 de outubro de 2011

UM RIO DE MULHER

UM RIO DE MULHER



Sentado na cama contemplo
Duas partes de um mundo
Um rio raso e profundo
Incólume se lança ao abismo
Que traz vida e beleza
Que destrói com destreza
O que um dia já foi seu
Sentando ainda contemplo
Cansado, em seu leito adormeço
E sonhando, surtado pergunto
Quer pará-lo?  Nem eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postados Recentemente