quarta-feira, 3 de agosto de 2011

ILUMINA-TE

Triste alma remói penosa angustia
Conserva magoa que corrói o torpe Espírito
Desajuste insano faz surgir louca agonia
Precipita o corpo relutante em fundo abismo

E as mazelas da frívola existência
Asseveram-se no correr do fim da Aurora
Impiedosa e implacável é perversa intriga
Dos Espíritos que zombam de tua obra

Faz mister romper a rede constritora
Conduzindo as potencias ao equilíbrio
Alterando nesta vida o vil destino

Amparado por espíritos benfazejos
Refletindo no caminho evolutivo
Em silencio harmonioso e efusivo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postados Recentemente