quarta-feira, 3 de agosto de 2011

TOLO

Diga-me preciso saber
O que sem saber eu perdi
Pois o beijo, traidor, já dizia
Doce amor eis aqui o seu fim

O ardor e desejo que havia
Alimentos de minha paixão
Descobri ao findar do dia
Era falso, acabou, ilusão

E assim vou vagando no mundo
Um errante, ermitão, sem parada
Como jarro sem vinho, vazio
Uma alma perdida e penada

O que levo comigo é a Dor
Coração arrancado do peito
Engasgado no amargo rancor
Clamo a morte, suspiro... Adormeço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postados Recentemente